LIVRO: Lembranças do Vazio.
AUTOR:
Luiz Eduardo Farias
EDITORA:
Autografia
PÁGINAS:
194
ANO:
2016
SINOPSE: O que fazer quando nos deparamos com perdas irreparáveis ao longo da vida? Encarar os vários estágios de superação ou se entregar à dor, à sensação de vazio que insiste em preencher os dias? Os irmãos Leônidas e Oscar, que cruzam as páginas deste romance, atravessaram inúmeros momentos como esses, em que o forte laço que os unia consolidou-se no alicerce que os mantinha de pé, mesmo quando seus caminhos se distanciavam. Não se trata, contudo, de uma história de tristezas. “Lembranças do Vazio” é, acima de tudo, uma obra feita de memórias e trajetórias individuais, por onde desfilam amores, dúvidas, conflitos, experiências que acabam por unir pessoas para além dos laços de sangue. Luiz Eduardo Farias tece sua narrativa com sensibilidade e bom humor. Leônidas se torna alguém familiar ao leitor, que percorre as aventuras e desventuras do protagonista em sua longa caminhada na construção de si como ser humano. Uma história que é, afinal de contas, um pouco a história de cada um de nós.
 
Com esse livro Eduardo deixou claro que um ente querido a gente nunca esquece. E qual o melhor recurso senão a escrita para deixar perpetuado no tempo a existência de um alguém? Peço desculpas por usar o seu nome Eduardo, mas creio que Lêonidas não seria eloquente o suficiente para te parabenizar por essa demonstração tão bonita de amor.
 
            Sempre encarei a leitura como um sair de mim para encontrar um outro. Geralmente, encontro personagens que me lembram pessoas, momentos ou lugares por mim vivenciados. Isso é, ao mesmo tempo reconfortante como também um pouco assustador. Ao ler “Lembranças do vazio” me encontrei e desencontrei várias vezes. Fiquei com longos nós na garganta, mas também soltei algumas gargalhadas. Tem algo sobre os livros baseados em fatos reais que me faz apreciá-los ainda mais. Com esse não foi diferente.
            Eduardo Farias, historiador e autor do livro consegue fazer o que poucos já conseguiram. Reuniu fatos reais, dados estatísticos e narrativa num só corpo de texto. Tratou de temas contundentes na sociedade, como por exemplo a violência doméstica, o machismo, a religião (ou a falta dela) entre outros de uma forma lúcida e bastante consistente. Não deixou fios soltos e foi construindo a narrativa de uma maneira leve e reflexiva. Com o poder de um marcador virtual fui destacando suas façanhas e reflexões para que, sempre que possível, pudesse voltar aos pontos que mais me fizeram pensar na história. Cheio de referências filosóficas, o livro mistura romance e antropologia de uma maneira impar. Há também um toque machadiano pela forma como o narrador lida com alguns fatos e por vezes se intromete na história afim de revelar o seu ponto de vista (algo que achei engraçado, uma vez que desde o início o narrador, mesmo em terceira pessoa, mostra-se conhecedor profundo dos sentimentos de seus personagens, que revela ao fim do livro). 

 
               A narrativa conta a história de Lêonidas e Oscar. Dois irmãos nascidos em família humilde e marcados a ferro pelo abandono, neste caso, materno. Sem querer embelezar o papel da mãe mais do que o do pai, (sou uma ferrenha feminista, mas não extremista) creio que a mãe tem um poder grandioso sobre o psicológico dos filhos, o que se demonstrou na história aqui resenhada. Poderia ser uma história comum, pais que se casam novos, têm filhos e depois, por conta de uma traição, se separam. Mas nessa, a mãe abandona os filhos, tanto pela falta de condição quanto pela falta de amor. E um pouco diferente do abandono paternal (sei do que digo), esse foi como um estopim para os traumas dos personagens. É então que os dois vão morar com o pai e sua nova esposa Joana (a causa da separação). Pequenos, frágeis e condoídos passam a viver com um pai autoritário, extremamente machista e agressor. É ele que causa os piores traumas em Lêonidas, como por exemplo, a surra no dia de seu aniversário. Quando acham que sua vida está fadada ao sofrimento, encontram em Joana uma nova mãe, que os cuida e miniminiza as dores das surras, mas que mesmo assim, anos depois (não aguentando o gênio do marido) os abandona. E, mais uma vez, nossos personagens se veem perdidos.
             Os anos se passam, Oscar acredita no poder dos estudos para mudar de vida, Lêonidas vê no esporte uma porta para exorcizar seus demônios (aliás essa é uma frase falaciosa para um ser humano que se descobre ateu). Para não alongar mais, é certo dizer que independente de todos os sofrimentos, ambos conseguem vencer as dificuldades e, aos trancos e barrancos, encontrar uma felicidade. Não seria uma resenha, um chamarisco para o livro se eu dissesse o fato que fez esse livro ser escrito. Então, é por isso que deixo-os assim, curiosos, pois além disso tudo, a vida ainda surpreenderia os dois.
             Por fim, agradeço a paciência do autor, que me enviou o livro em maio e eu só o peguei para ler ontem (sim, o li em dois dias, para você ver o poder dessa história em dominar seu leitor)! E lhes digo apenas uma coisa a mais: leiam esse livro, é importante para entender algumas coisas da vida. 
 
Conheça o autor! E adquira um exemplar, garanto que não se arrependerá! Esse é daqueles livros que a gente abraça depois de finalizar a leitura e fica por longos e deliciosos segundos olhando para o nada e sentindo algo que não é possível descrever! 


Apaixonado por livros, cachorros e pelo Botafogo, Luiz Eduardo Farias é historiador e professor, lecionando no Colégio Municipal Delce Horta (Fevre) e no Colégio Estadual Baldomero Barbará. Natural de São Gonçalo (RJ), atualmente mora em Volta Redonda (RJ). Escreve crônicas e desabafos ligados a sua profissão há alguns anos. Lembranças do Vazio é seu primeiro romance.
Contato
Tel – (24) 98165-0366
P.S.: Se você chegou até aqui, perdoe-me pelo tamanho da resenha, e peço que se acostume, pois tenho uma pequena dificuldade para ser objetiva e resumir minhas leituras... rsrs Espero que tenha gostado! Se sim, por favor não esqueça de comentar! 
Ingritt Maiara da Silva


6 Comentários

  1. Já anotei pra ler na minha lista, amei a resenha ❤❤

    ResponderExcluir
  2. Tenho "ene" razões para ler esse livro e o mais importante deles foi a sua resenha ! Parabéns mais uma vez.. Bjss

    ResponderExcluir
  3. A resenha ficou incrível, amiga! O maior elogio que posso fazer é :fiquei com muita vontade de ler essa história. ❤

    ResponderExcluir
  4. Ficou simplesmente maravilhosa essa resenha, vou colocar na minha lista tao grande.. Rsrsrs ��

    ResponderExcluir
  5. Uau! O que dizer depois desta resenha? Só posso agradecer pelas palavras, Ingritt. Fiquei emocionado. Ter esse retorno dos leitores é fundamental para o autor sentir que seu trabalho atingiu o seu objetivo. Vivemos em um país de poucos incentivos à leitura. Blogs como o seu ajudam a quebrar um pouco essa barreira e aproximar as pessoas de escritores que ficariam completamente desconhecidos, pois não são famosos, não participaram do Big Brother e nem são youtubers. Mais uma vez obrigado e parabéns por seu trabalho.

    ResponderExcluir