TÍTULO: My Beautiful Broken Brain
DIREÇÃO: Sophie Robinson, Lotje Sodderland
ANO: 2016
DURAÇÃO: 1h 24min
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA: 12 anos.
  
"A vida é como um sonho"

            Você está em casa, num dia normal. Está preparando seu café ou se arrumando para sair. Está chegando de um dia de trabalho ou atrasada para esse mesmo trabalho. De repente, sua cabeça começa a latejar de dor. Você sente-se perdida. Algumas horas depois é encontrada num banheiro de hotel, suja e desacordada. É levada as pressas para o hospital, onde descobre que sofreu um derrame cerebral. É então que começa uma intensa luta travada com a sua própria mente. Que não é mais a mesma.
           Lotje passou por tudo aquilo que você somente imaginou. E ela resolveu contar a sua história. Não em um livro, mas gravando suas experiências e montando um documentário incrível.
         É difícil descrever em palavras a sensação que temos ao ver o documentário. No começo estamos apreensivos. Nós passamos a conhecer Lotje e também passamos a sofrer junto com ela e com a mania de as pessoas verem somente suas limitações. Se pudesse resumir em uma frase, o que seria deveras muito difícil, diria que esse documentário é a forma que Lotje encontrou para comemorar as suas possibilidades apesar de tudo. A narrativa é tão intensa que nos pegamos pensando em nossa própria existência. De que somos feitos? O que nossas experiências nos dizem? Até quando vamos deixar de viver para trabalhar e adquirir bens que não sabemos como usufruir? Lotje era uma alma livre. Era independente, era feliz, mas o derrame não lhe tirou isso, somente a fez descobrir uma outra existência na própria existência.
         Este lindo documentário, permeado de ensinamentos do roteirista e ator David Linch está disponível na Netflix, possui áudio em português, mas aconselho olhá-lo com legendas para que possa ouvir com clareza a voz de Lotje. É um documentário sobre superação, mas não aquela piegas que filmes maiores nos vivem vendo. Essa é uma superação verdadeira contada por pessoas reais com seus problemas reais.




TÍTULO: Confissões de uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática
AUTORA: Thalita Rebouças
EDITORA: Arqueiro
ANO: 2016
PÁGINAS: 272
SINOPSE: Tetê acaba de se mudar com a família toda para Copacabana, no Rio de Janeiro, para a casa dos avós. O lindo e espaçoso apartamento da Barra da Tijuca em que morava teve que ser vendido, pois com a crise o pai foi demitido, e o resultado é que a vida dela virou de cabeça para baixo. Além de perder a privacidade, tendo que dividir o espaço com cinco parentes malucos que brigam o tempo todo, ela perdeu todas as suas referências. A única coisa que a deixa feliz é cozinhar. E, claro, comer as delícias que faz. 
O lado bom foi se livrar do antigo colégio, no qual sofria bullying por causa de seu jeito peculiar. Sem contar sua desilusão amorosa... O problema é que ela está apavorada, porque agora tudo será novo e estranho, com o ensino médio, com a nova escola, e sem conhecer ninguém. E morre de medo de ser excluída ou de sofrer bullying novamente. Ela está bem mal, para dizer a verdade. Ou talvez seja um pouco de drama, porque já no primeiro dia as coisas parecem ser um pouco diferentes... Pelo jeito, tudo vai mudar, e para melhor.

COMENTÁRIO:
          Thalita Rebouças é conhecida por escrever para o público adolescente. Gosto de literatura juvenil, principalmente livros de ficção e aventura. Então, quando recebi a indicação do livro fiquei um pouco receosa. No entanto, durante a leitura me diverti com o bom-humor da narrativa e relembrei de algumas situações que passei na adolescência. A história, que não trata somente das ‘confusões’ da adolescência, também traz várias reflexões sobre temas recorrentes como bullying e padrões de beleza. O livro é escrito em primeira pessoa, com uma linguagem característica dos jovens, além disso  Tetê é hilária. Com Têtê aprendemos que mudar de escola, por exemplo, não precisa ser um bicho de sete cabeças!  Enquanto lemos, podemos até dar uma chegadinha na cozinha e preparar   algumas receitas feitas pela personagem, pois estas estão descritas com todos os detalhes,  e  aparentemente são deliciosas. Acredito que esse livro possa ser utilizado por professores em suas aulas, o que com toda certeza renderia muito assunto. Além disso o livro é indicado para amantes de romance juvenil de qualquer idade.

Este comentário foi escrito por nossa nova colaboradora Mayra W. Freitas! Digam nos comentários o que vocês acharam da estréia dela 🙌😍❤


Boa Tarde leitoras e leitores! Hoje vim mostrar um novo jeito de falar sobre livros aqui no blogger. Andei conversando com alguns leitores, e chegando a uma conclusão: as minhas resenhas são extremamente grandes e detalhistas, o que vem gerando uma certa "distancia" dos leitores que abominam spoilers (e olha que eu tento não dar spoilers e sempre aviso), por isso, estou criando uma nova "categoria" aqui no blogger. Em "Comentário" sempre darei uma breve opinião sobre o livro que li. Espero que gostem. Mas, uma vez que outra farei uma resenha mais completa. 
 
TÍTULO: As cores da Vida
AUTOR: Kristin Hannah
EDITORA: Arqueiro
ANO: 2016
PÁGINAS: 352
SINOPSE:Kristin Hannah já vendeu mais de 12 milhões de livros no mundo. “Uma história bela e cativante sobre amor e rivalidade, família e comunidade.” – Booklist “Mais um acerto de Kristin Hannah. Deliciosamente romântico e comovente, este livro vai fazer você querer mergulhar em suas páginas e permanecer nelas durante o maior tempo possível.” – People Uma arrebatadora história sobre irmãs, rivalidade, perdão e, em última análise, o que significa ser uma família. As irmãs Winona, Aurora e Vivi Ann perderam a mãe cedo e foram criadas por um pai frio e distante. Por isso, o amor que elas conhecem vem do laço que criaram entre si. Embora tenham personalidades bastante diferentes, na verdade são inseparáveis. Winona, a mais velha e porto seguro das irmãs, nunca se sentiu em casa no rancho da família e sabe que não tem as qualidades que o pai valoriza. Mas, sendo a melhor advogada da cidade, ela está determinada a lhe provar seu valor. Aurora, a irmã do meio, é a pacificadora. Ela acalma as tensões familiares e se desdobra pela felicidade de todos – ainda que esconda os próprios problemas. E Vivi Ann é a estrela entre as três. Linda e sonhadora, tem o coração grande e indomável e é adorada por todos. Parece que em sua vida tudo dá certo. Até que um forasteiro chega à cidade... Então tudo muda. De uma hora para a outra, a lealdade que as irmãs sempre deram por certa é posta à prova. E quando segredos dolorosos são revelados e um crime abala a cidade, elas se veem em lados opostos da mesma verdade.
  
COMENTÁRIO:

           A leitura deste livro foi extremamente prazerosa. Entre uma aula e outra, uma ida de ônibus ao serviço e outra volta de topique para casa terminei o livro rapidamente. Kristin é uma daquelas escritoras que sabe contar uma história. O enredo, as personagens e a escrita são muito convincentes. Figurativamente, me senti em uma fazenda dos Estados Unidos, conhecendo alguns caipiras preconceituosos e outros extremamente amorosos com a natureza e com as pessoas. Irritei-me com uma ou outra comparação clichê, no entanto, nada que afetasse o livro como um todo. Apaixonei-me pela personalidade de Winona, a personagem que mais se parece comigo. Ela passa quase todos os limites de sofrência, sem perder a classe. Além disso, a narração, que é feita em terceira pessoa, mostra a perspectiva de todas as três irmãs e por fim do filho de Vivi Ann, porém com mais ênfase em Winona. Outro ponto forte do livro é a ambientação, as descrições do cenário são na medida certa, sem se estender muito para não perder o foco da história. Só há um "porém" em meio a tantos pontos positivos, todavia esse "porém" é bem particular, não gostei da forma como Winona ficou no fim. Achei que ela deveria ter encontrado um outro alguém, uma vez que amar o homem com quem ficou só a levou para o fundo do poço desde o início da história.






TÍTULO: O assassino dos Números
AUTOR: Márcio Neri
EDITORA: Fragmentos
ANO: 2016
PÁGINAS: 280
SINOPSE: John Alexander, professor de Matemática da Universidade de Othonville, percebe ser o interlocutor do Assassino dos Números, um cruel Serial Killer que vem aterrorizando sua cidade e deixando códigos nos corpos. Em meio ao rastro de mortes, ele descobre ser uma possível vítima, e terá pouco tempo para desvendar todo o mistério em torno do homicida, já que os eventos têm uma data certa de término. Com tantas vidas em jogo ele encontra Charles, o chefe da perícia criminal da cidade, e juntos terão que decifrar os sinais deixados nos cadáveres e descobrir qual a relação de John com o sociopata. Muito suspense, ação e romance nesse jogo de ameaças onde cada dia pode custar uma vida.

A primeira resenha de uma amante da matemática


     Pessoal, é com muito orgulho que lhes apresento a resenha que minha irmã Ludmila fez! Ela, literalmente, não é alguém que lê com muita frequência, mas eis que um dia desses ela entra no meu quarto e vai até os meu livros para escolher um, que pasmem, quer ler. Primeiramente, fiquei em choque, depois passou e eu lhe disse que poderia ler qualquer um que lhe chamasse a atenção! O autor Márcio Neri foi o sortudo! Ela leu o livro em pouco mais que dois dias, e realmente leu, gente! Fiquei muito surpresa e emocionada. Todo leitor que realmente ama a literatura, sabe o quanto ficamos felizes quando conseguimos que alguém que não lê, pegue um livro e leia. Bom, mas chega de papo e vamos à resenha! Espero que gostem tanto quanto eu! 

      A história se passa numa cidadezinha chamada Othonville, onde misteriosamente algumas pessoas surgem mortas, sem motivo aparente. John Alexander, certa noite recebe um telefonema com um aviso bem camarada “No dia 30 de junho será a sua vez”. A partir daí, o nosso ilustre professor de matemática começa a investigar os crimes, uma vez que eles possuem pistas/ códigos que levam a crer que o próprio John é o assassino. É então que ele precisa correr atrás do tempo para provar sua inocência.
"Se o assassino quiser a mim ele terá um árduo percurso - pensava com um sorriso no canto direito da boca com as mãos atrás da cabeça - um duelo de mentes é sempre bem vindo." p.21
       O livro é bem escrito, a narrativa te prende do início ao fim, principalmente para mim, uma amante da matemática. Há uma pequena crítica a ser feita ao personagem principal, o seu machismo exacerbado. Segundo ele, a culpa do término do seu noivado foi de sua “preguiçosa” noiva. Ele trabalhava e ela só estudava, mas ela não podia sequer manter a ordem em casa, como se somente ela fosse responsável por isso. 


       Outro ponto que gostei, mas que talvez outros leitores possam não gostar é o fato de que o estilo da escrita é bastante americanizado, ou seja, o enredo e também o cenário do livro não tem “aparência” brasileira. Creio que seria muito interessante um thriller que aparentasse passar em uma cidade brasileira, seria “um toque” a mais de realismo ao suspense. 

 
       O fim é realmente surpreendente, fiquei incrédula ao ler o último capítulo. No entanto, o motivo para que as pessoas morressem, a meu ver não é realmente bom. Talvez, o assassino poderia ter utilizado toda a sua inteligência para realmente fazer os culpados pagarem. Por fim, recomendo a leitura da obra, não somente para os amantes da matemática como também para todos os leitores que se interessam por um bom e velho suspense. 


Obrigada por terem lido até aqui! Abraços!
Ludmila